[Resenha Cinematográfica] Estrelas Além do Tempo

07 abril 2017

Título: Estrelas Além do Tempo
Data de Lançamento: 2 de fevereiro de 2017
Duração: 2h 06min
Direção: Theodore MelfiGênero: Drama/Biografia
Nacionalidade: EUA
Classificação Indicativa: 10 anos
Sinopse: Durante a corrida espacial ao mesmo tempo em que a sociedade norte-americana lida com uma profunda cisão racial, entre brancos e negros. Tal situação é refletida também na NASA, onde um grupo de funcionárias negras é obrigada a trabalhar a parte. É lá que estão Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe), grandes amigas que, além de provar sua competência dia após dia, precisam lidar com o preconceito arraigado para que consigam ascender na hierarquia da NASA.
Custou a sair essa resenha mas o filme foi tão bom que vale à pena postar mesmo atrasado. Me chamaram para ir no cinema em cima da hora e nem eu mesmo sabia sobre o que o filme era, mas eu até gosto de às vezes assistir ao filme "no escuro" literalmente e figurativamente, sem ter visto o trailer ou a sinopse antes de entrar na sala de cinema e me surpreendi.

O filme mostra um período da história (já disse que gosto de história?) em plena Guerra Fria, aquele período que os Estados Unidos e a União Soviética travavam uma guerra silenciosa rumo a disputa da corrida espacial para ver quem chegava primeiro à lua e ganhava a supremacia. Em meio a isto em 1961 o EUA sofria também uma grande segregação racial, negros e brancos eram divididos e cada um pertencia a um lugar bem definido na sociedade.


Enquanto isso na NASA muito esforço era feito para se certificar que os EUA ganharia essa corrida e entre engenheiros e físicos  em um recanto bem delimitado havia a sala de computadores que era nada mais nada menos do que dezenas de mulheres negras muito inteligentes que sabiam fazer contas difíceis muito rápido. Era um setor responsável por revisar e corrigir possíveis erros de cálculos feitos para lançamento dos foguetes e sua trajetória. Em um ambiente dominados por homens é lá que estão Katherine Johnson, Dorothy Vaughn e Mary Jackson, três matemáticas que se destacam pela sua ousadia, inteligência e persistência. Já era difícil imaginar mulheres se destacando em um ambiente como esse em 1961 imaginem elas sendo mulheres e negras.


Certas coisas são difíceis de serem vistas pelo teor preconceituoso que parece que está enraizado no ser humano e que ainda vemos nos dias de hoje infelizmente. Pessoas sendo reduzidas e vistas como meras máquinas que devem ficar atulhadas em uma sala, banheiros e bebedouros separados para os "de cor" e as barreiras impostas para entrar em uma universidade ou até mesmo em uma biblioteca apenas pelo fato de a pele da pessoa ser negra. Triste de ver que mesmo Katherine mostrando-se  ser uma mente brilhante e que poderia contribuir e muito com o progresso do trabalho, por pura arrogância ela é tratada de forma inferior. Colocaram até um bule de café para negros para mostrar o  lugar dela, quando em todo a sala ela era a única negra.

O filme não aborda apenas o tema de empoderamento feminino mais também a questão racial  e os preconceitos raciais e sociais. Essas mulheres não tinham oportunidades de demostrar o seu potencial e então elas  criaram a oportunidade e fizeram acontecer.

A atuação é incrível e fez eu gostar ainda mais das atrizes Taraji P. Henson e Octavia Spencer. O drama das cenas de preconceitos velados (e outros nem tantos) foram muito bem interpretados trazendo densidade e veracidade a história, não deixando de lado também momentos mais leves e descontraídos que abrilhantaram. O enredo em si não confronta de forma crua e tão direta   Confesso que quando as coisas começaram a caminhar para o lado certo eu pensei que as pessoas responsáveis simplesmente sabotariam ela e não daria os devidos créditos ou reconhecimento. De qualquer forma é um filme que certamente merece ser visto mais de uma vez.
"Não se solicita liberdade. Liberdade  nunca é dada aos oprimidos. Precisa ser conquistada, tomada."
"Não podemos todos evoluir quando metade de nós fica para trás."
E o quote que eu mais gostei e que para mim ilustra muito bem a história:
"Aqui na NASA, todos urinamos da mesma cor"


Preciso pontuar:
* A história é baseada na vida de três mulheres negras que realmente trabalharam na NASA e se destacaram em seus respectivos trabalhos e posteriormente foram premiadas.
* O título em inglês faz mais sentido para mim e faz mais jus a história, na tradução seria algo como Figuras Ocultas.
* É difícil de acreditar que um filme com Taraji P. Henson e Octavia Spencer não seja ótimo. Já vi outros filmes com elas e adoro as duas.
* Janelle Monáe, isso mesmo, aquela cantora! Estrela o filme também e é a primeira fez que a vejo atuando e ela é ótima!
* A trilha sonora e o figurino são um encanto à parte. Lindo demais.
Thamires Vicente
Thamires Vicente, carioca de 22 anos. "PALAVRAS são capazes de causar grandes sofrimentos e por vezes remediá-los"
8 Comentários | BLOGGER
Comentários | FACEBOOK

8 comentários:

  1. Ainda não assisti o filme, mas desde que vi o trailer e reparei que a Taraji tava ali, me apaixonei e quero muito ver, além de que a história é muito inspiradora! Adorei sua resenha e as curiosidades ali embaixo, tô chocada que não tinha reconhecido a Janelle nas fotos haha, e também achei que o nome em inglês faz mais sentido.
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
  2. Quero ASSISTIR amo filmes as fotos que vc postou são bem chamativa ai gostei quero ver Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ainda não assisti esse filme, mas filme muito curiosa! Adoro a Octavia, ela é uma atriz incrível. Adorei a resenha, é triste saber que apesar de toda essa superação ainda há esse preconceito na sociedade, tanto com negro quanto com mulheres. Só nos resta fazer a nossa parte e acreditar que o mundo pode se tornar um lugar melhor ^^ Beijos

    nebulosadeflores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. fiquei interessada. Quero assistir a esse filme. Vou assistir o trailer. Gostei mais do nome em inglês. Deu mais sentido. Um beijo; Ary

    ResponderExcluir
  5. Oi,
    a colunista do meu blog falando desse filme tambpém gostou muito!
    Acho que o título em tradução original ficaria bem melhor..
    Não assisti o filme aind amais quero MUITO vê-lo em breve.
    Gosto da Janelle atuando, já assisti algumas participações dela e realmente arrasa.
    O filme em si trás muito sobre história e essas mulheres.. caramba porque só agora foi falado delas? Mereciam mais destaque bem antes.

    ResponderExcluir
  6. Quero muito assistir esse filme... nos dias atuais, onde as mulheres (principalmente as negras), estão mais emponderadas, é muito bom poder refletir no emponderamento dessas mulheres numa época em que não podíamos ter vez ou voz, a não ser como donas de casa.

    ResponderExcluir
  7. Oi, apesar do filme já ter um tempinho que estreou, quero muito ter a oportunidade de assistir, pois tem uma historia linda de três mulheres guerreiras negras lindas, empodeiradas e que pra chegar num cargo que pra elas são inferior, elas terá que mostrar o seu potencial. Eu gostei muito da resenha e é uma história para refletir.

    http://fabiisanto.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    O filme já estreou há algum tempo e eu ainda não assisti. Tava faltando esse "a mais" que foi o seu post. Vou correndo assistir :')
    Adorei a forma que se posicionou e como falou do enredo. Parabéns!
    Beijos, Lorena

    ResponderExcluir

 
© Memórias de uma leitora, VERSION: 01 - BLUE FLOREST - janeiro/2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Maidy Lacerda
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo